Égua! É de beber, camará.

Aquiles sentiu a cabeça pesada, e a camisa básica de sempre estava ensopada de suor depois de um dia carregando caixas de legumes nas costas. Saiu do mercadinho aos tropeços, descendo as vielas do morro do dendê até alcançar a avenida paranapuan lá embaixo. Era um final de dia normal como todos os outros, um…