O insaciável vício dos sentimentos

Recentemente descobri: sou viciade em sentimentos. Como a vida é esquisita quando eu não tenho nada intenso para sentir… Nada me satisfaz mais que uma briga, um desentendimento, o grande amor, uma necessidade desesperada, a ansiedade diante de um grande evento se aproximando. Hoje a ansiedade virou doença, ninguém quer experimentar expectativas. Queremos tudo pronto, entregue na porta de nossas casas, e o resultado disso é o vazio das relações pessoais, a ausência de poesia. Admito, sou ume amante da vida, e desculpe o tom amargurado do texto.

Esse amor à vida deve ser a razão de minha revolta ao acompanhar a pseudovida sem rostos do telefone, a vida-digitada desprovida de som dos e-mails ou as ilusões ultra-imagéticas e superficiais dos blogs e da “taimelaine” voraz por curtidas do “feicebuqui”… Os bizarros grupos de interesse da internet, das redes sociais, formados por estranhos com gostos em comum, acabam tornando-se clubinhos fechados onde se escolhe quem serão os excluídos na “real life”. Quanta ingenuidade procurar vida onde ela não existe. Que raiva, espero qualquer coisa quando a vida está acontecendo por meio de impulsos elétricos? A suavidade dos perfumes desapareceu completamente. Merda…

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s